Header image

Acaryas

Com alguma regularidade, recebemos a visita de professores da Ananda Marga – Acaryas ou Táttvikas – qualificados a ensinar um processo individual e pessoal de meditação, especialmente adequado a quem o recebe. Acarya é um termo em sânscrito que significa literalmente “aquele que ensina através do exemplo”. Em sânscrito a letra C pronuncia-se como CH, sendo esta palavra pronunciada como “achária”.

Há Acaryas que optam por uma vida familiar e social normal (Grhii Acaryas em sânscrito) e outros que optam por um estilo de vida missionário (Sanniásii Acaryas em sânscrito). É comum os Acaryas serem chamados de “Dada” (no caso de homens) ou “Didi” (no caso de mulheres) sânscrito para, respectivamente, irmão e irmã. Por regra, os Grhii Acaryas ensinam tanto a homens como mulheres e, no caso dos Sanniásii Acaryas, os monges ensinam apenas a homens e as monjas a mulheres. O ensinamento é recebido pela primeira vez no chamado “processo de iniciação” e, de acordo com a aplicação e disciplina do praticante, sucessivas técnicas mais avançadas poderão ser aprendidas em futuros contactos com Acaryas. Antes de uma pessoa se tornar Grhii Acarya tem de receber o treino de Táttvika que a capacita a realizar o processo de iniciação (tanto a homens como mulheres). Segue-se uma breve biografia de alguns Acaryas/Táttvikas que visitaram a Madeira a convite da Associação Prabháta.

Monja Acárya (Didi) Tapasiddha

Tapasiddha nasceu em 1986 na Nova Zelândia e cresceu numa família praticante de Yoga, Meditação e Vegetarianismo. Foi voluntária no Lotus Children’s Centre (www.lotuschild.org) na Mongólia e em 2006 iniciou o seu treino para se tornar monja, na Suécia. Desde que se tornou Acarya, em 2009, tem vindo a desenvolver atividades da Ananda Marga na Alemanha e Espanha, estando agora baseada em Valência.

Monge Acárya (Dada) Tiirthadevananda

Tiirthadevananda iniciou-se na prática de Yoga e Meditação em 1991, na Malásia, tendo realizado um treino intensivo em 1992, em Bali, na Indonésia. Pouco depois iniciou a formação para se tornar monge, em Davao nas Filipinas, tendo se tornado Acarya em 1994. No início de 1995 foi trabalhar na Índia, tendo passado alguns anos numa quinta ecológica. Em 2002 voltou a realizar trabalho missionário na Malásia e em 2004 foi transferido para o centro de Yoga da Ananda Marga em Madrid, Espanha, estando, desde então, a realizar inúmeras atividades baseado nesta cidade.

Monja Acárya (Didi) Ananda Prama

Ananda Prama é missionária, representante do movimento Ananda Marga desde 1994. Nascida nos E.U.A., em 1953, é licenciada em Sociologia, tendo trabalhado nas forças de paz das nações unidas na Libéria de 1978 a 1981 e também na Somália, para o alto comissariado para os refugiados, desenvolvendo um projecto de utilização de água em meios rurais e educação na área da saúde, em conjunto com a equipa que veio a ganhar o prémio nobel da paz em 1991.

De 1988 a 1991 trabalhou como voluntária na Índia ajudando no desenvolvimento da cidade Ananda Nagar, um dos maiores projectos da Ananda Marga para o desenvolvimento de uma área tribal da Índia. Neste projecto participou na área de cuidados médicos, viveiros de árvores e melhoria das condições de saúde para mulheres e crianças pobres. Trabalhou também no Brasil, ajudando a estabelecer o parque ecológico Visão Futuro (http://www.visaofuturo.org.br) e um programa para crianças durante a cimeira da terra, no Rio de Janeiro, em 1992.

Realizou o treino para missionária nos centros de formação da Ananda Marga da Suécia e Índia, de 1992 a 1994. Até 2004 desenvolveu trabalho na Polónia e República Checa contribuindo para a criação de três quintas ecológicas e centros educacionais e também na organização de um festival ecológico anual (http://www.ru.org/ecofest/) realizado na Polónia.

Nos últimos anos tem trabalhado na Irlanda a estabelecer a unidade mestre “Ananda Bharati”. Unidade mestre é o nome dado aos projectos modelo da Ananda Marga de comunidades/quintas ecológicas auto-suficientes (ver mais informação aqui). Neste projecto Ananda Prama tem contado com a colaboração da ONG WWOOF (World Wide Opportunities on Organic Farms – http://www.wwoof.org/) e organizado campos de trabalho internacionais para a ONG Volunteer Service International (http://www.vsi.ie/). Os seus interesses são criar paz interna e externa através do yoga e de uma vida sustentável.

Monge Acárya (Dada) Jyotirupananda

Jyotirupananda é missionário representante do movimento Ananda Marga desde 1985. Nascido nos E.U.A., em 1950, recebeu a formação e fez votos de missionário em Varanasii na Índia. Desde então tem trabalhado no Sul da Ásia, Médio Oriente e por toda a Europa, ensinando a filosofia e práticas do yoga. Publicou, recentemente, um livro com o título “Meditação: à procura do eu real“, disponível na Amazon. Ele é também o editor da revista “New Renaissance” (http://www.ru.org/), uma publicação internacional focando-se em assuntos relacionados com espiritualidade, ecologia, ciência e saúde holística.

Táttvika (Didi) Malati

Malati é Táttvika e tem sido uma voluntária a tempo inteiro da Ananda Marga desde 1975. Nascida no Reino Unido, tem trabalhado na Índia desde 1988. Ela recebeu o treino como Professora de Meditação em 1995. Antes, escreveu várias publicações educacionais que estão a ser usadas nas escolas da Ananda Marga na Índia. Por volta de 1997 ela virou a sua atenção para a causa das escolas rurais na Índia e desenvolveu um programa de angariação de fundos para ajudá-las a resolver os seus problemas mais básicos e reparar infra-estruturas como casas de banho, salas de aula, quadros, bancos, electricidade, água, etc. Nos últimos 12 anos este projecto tem crescido consideravelmente e tem agora um programa de voluntariado e um programa de apoio a crianças, desenvolvido em coordenação com o projecto SOS Índia, baseado em Portugal. Estão também disponíveis postais e foi recentemente adicionado um catálogo de prendas. Tudo isto pode ser visto na página Internet do projecto: www.poor.org.in.